Vacina contra a febre amarela pode ser tomada em Ibitinga

A vacina é de dose única, portanto, quem já tomou uma vez na vida não precisa mais

Por Redação 11/01/2018 - 09:09 hs

O Governo Federal divulgou o tempo de campanha para a vacinação contra a febre amarela. Apesar de Ibitinga não aderir à campanha, os munícipes podem, a qualquer tempo, tomar a dose, disponível sem fracionamento já que o estoque na cidade é bastante amplo e para o ano todo.

De acordo com o Ministério da Saúde, a vacina contra a febre amarela exige apenas uma dose única. Em outras palavras, quem já tomou não precisa aplicar novamente. Em caso de dúvidas, o cidadão deve procurar a Sala de Vacinação munido da carteirinha.

Tabatinga seguirá o mesmo "rito", já que a vacina está disponível durante todo o ano, sem fracionamento.

Idosos só com recomendação médica

De acordo com a enfermeira Elaine de Souza Candido, de Tabatinga, pessoas acima de 60 anos não podem ser vacinados sem recomendação médica. A regra vale para todo o Brasil.

Nova Europa haverá companha

A Secretaria Municipal de Saúde em Nova Europa vai colocar em prática uma campanha de prevenção à febre amarela. A ideia, segundo Diogo Furquim, secretário da pasta, é disponibilizar doses da vacina nos três ESFs (postinhos de saúde), começando nesta sexta-feira, dia 12, pelo ESF 'Jardim São Paulo'.

As doses serão aplicadas das 9h às 11h30 e das 13h às 16h em pessoas de 9 meses aos 59 anos que ainda não tomaram a vacina. Idosos a partir dos 60 anos só tomarão a dose com indicação médica, explica Furquim.

A campanha nos demais postinhos acontecerá nas semanas seguintes, entretanto, a Saúde divulgará oficialmente as datas e os horários.
"Estaremos realizando a atualização das carteiras bem como a aplicação das doses contra a febre amarela. Venham munidos com um documento com foto e a carteirinha de vacinas”, pede Furquim.

Febre amarela

A febre amarela ocorre nas Américas do Sul e Central, além de em alguns países da África e é transmitida por mosquitos em áreas urbanas ou silvestres. Sua manifestação é idêntica em ambos os casos de transmissão, pois o vírus e a evolução clínica são os mesmos — a diferença está apenas nos transmissores.

No ciclo silvestre, em áreas florestais, o vetor da febre amarela é principalmente o mosquito Haemagogus. Já no meio urbano, a transmissão se dá através do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue).

A infecção acontece quando uma pessoa que nunca tenha contraído a febre amarela ou tomado a vacina contra ela circula em áreas florestais e é picada por um mosquito infectado. Ao contrair a doença, a pessoa pode se tornar fonte de infecção para o Aedes aegypti no meio urbano. Além do homem, a infecção pelo vírus também pode acometer outros vertebrados.

Os macacos podem desenvolver a febre amarela silvestre de forma inaparente, mas ter a quantidade de vírus suficiente para infectar mosquitos. Uma pessoa não transmite a doença diretamente para outra.